sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

A dificuldade de dizer NAO!

Desde que tive as crianças, o que mais escuto é que devemos dizer nao varias vezes, que levar um "nao" ou outro nao faz mal, que criança precisa experimentar a frustraçao e ate concordo....... voce diz nao, a criança faz uma mini crise, ou talvez so uma carinha de triste ou descontente e passa, mas e com adultos? Por que a dificuldade em dizer e escutar nao na fase adulta? Questao de entendimento que aumenta o "sofrimento" diante da negaçao ou talvez sejam essas as crianças que nao passaram por frustraçoes e tem dificuldades em afronta-las na idade adulta?
Antes de ontem liguei para a minha avò paterna para parabeniza-la e como de costume, apareceu na conversaçao a pergunta "Quando voces veem ao Brasil?".......o que responder quando voce sabe que a probabilidade de nao ir beira os 99.9%? Eu respondo que nao, nao estou planejando ir, mas como fazer com a frustraçao de quem nao quer aceitar essa resposta?
Minha mae é um exemplo, ela sabe que ano que vem, ao menos que ganhe na loteria, nao tenho condiçoes de pagar 5 passagens  e menos ainda de me mantar de ferias por la, mas ela nao aceita.....ela crê num milagre, faz muxoxo a cada vez que digo que ano que vem, nao nos veremos.....alias, como aceitar isso, de que voce passara certamente um ano sem ver a sua familia? Ou talvez mais?
Até aqui, em sete anos eu consegui ir quase anualmente, passei dois anos sem ir no inicio mas mamae veio nesses dois anos, depois nos cinco anos seguintes fui com as crianças mas agora a situaçao mudou, somos cinco e todos pagando, temos outras prioridades......e o que eu pensei que seria mais facil com o passar do tempo, se torna cada vez mais dificil!
 Por fim, a conclusao que tiro é que fazemos com as crianças o que nem sempre queremos que façam conosco, eles podem se frustar à vontade, nao sofrem, esquecem rapido.....ja os adultos, sempre a mesma resistencia, defesa, argumentos......
E ai, alguem encontrou uma maneira menos sofrida de anunciar que provavelmente vai passar um ano sem abraçar os familiares?

Nenhum comentário: