sexta-feira, 10 de junho de 2011

Cultura e aleitamento materno......pondo em duvidas os beneficios!

Hoje cedo enquanto tomava meu cafe, uma amiga querida que ja me conhece me ligou correndo me pedindo pra por no canal 5, estava no ar Dr Philippe Grandsenne afirmando no programa "Les maternelles" que o aleitamento materno em questao de saude nao tem beneficio algum, que é FALSO a premissa de que o LM é melhor pro bebe ou que isso beneficia as taxas de mortalidade infantil......afirmou que a formula é tao boa ou melhor que o leite materno exemplificando com crianças anemicas devido o aleitamento.


Bom, mais uma vez fica ai o exemplo de que diploma nao é sinal de competencia e que estudo nao é pra todo mundo, o tema do programa era "Escolhi por nao amamentar" , acho digno ter um profissional que seja sensivel o bastante pra nao so respeitar a escolha dessas mulheres mas acima de tudo, para entender o mecanismo que as levaram à essa escolha.......mas acho o fim colocar um profissional da area imparcial que despejou conceitos PESSOAIS deixando de lado evidencias cientificas e nao dando um minimo de respaldo aos seus comentarios, ja que ele nao provou nem 2% do que disse!





Pra começar, ha mais de um seculo que mais ou menos 40% dos bebes franceses nao sao aleitados no geral, sem falar na premissa dos seis meses exclusivos e afins, sao varios fatores socio culturais que juntos levaram a esse resultado que cresce cada vez mais (as estimativas atuais sao mais altas dependendo dos fatores envolvidos), seja a inclusao da mulher no mercado de trabalho, a falta de modelo de aleitamento que a falta da pratica vai gerando, as duas grandes guerras e por fim o feminismo exarcebado.

As primeiras "mamaderias" apareceram no seculo XVI, eram fabricadas artesanalmentes à partir de chifres de animais......depois vieram as de louça, ceramica , estanho à partir de 1830 mais ou menos, elas tinham na ponta um pedaço de tecido enrolado fazendo de bico, eram geralmente fétidas e a pouca troca desses tecidos/bico ajudavam a aumentar a mortalidade infantil pela proliferaçao bacteriana.....um pouco depois, apareceram as mamadeiras com mangueiras longas que terminavam num bico, sistema que mais tarde foi apelidado de "mamadeiras assassinas", ja que aceleraram a mortalidade infantil devido a falta de higiene, nas mangueiras se concentravam restos de leite das outras utilizaçoes dificultando a limpeza das mesmas.
Somente em 1910 é que a esterilizaçao das mamadeiras e o metodo higienico foram apresentados diminuindo assim a mortalidade infantil, junto com a pasteurizaçao do leite de vaca.

Ou seja, durante esse tempo todo a procura nao era por uma melhoria à mulher e seu estatuto a qual ela poderia aleitar mas uma maneira segura de dar outro leite ao bebe.

Conforme o tempo foi passando, o modelo de aleitamento foi ficando cada vez mais fora da realidade à ponto de que hoje, a maioria vê o aleitamento como prisao, algo dificil a realizar, como um serviço desnecessario, muitas se sentem desconfortaveis na questao da sexualidade e com a participaçao paterna ativa, ele acaba sendo uma opçao muito pouco escolhida pelas francesas.

Tudo isso, pra dizer que nao basta bombardea-las de informaçoes à cerca o aleitamento ou ser radical, nao adianta bater de frente, julga-las, elas nao tem culpa!

Um comportamento feroz tem por fim de afasta-las, ja que nao, elas nao querem se ver dessa maneira.......por outro lado, dar informaçoes corretas nao é pressionar, por mais que isso desagrade a essa maioria de mulheres que escolhem "livremente" pelo nao aleitamento mas reclamam de se sentirem "maes màs" diante das redicais que escolhem pelo aleitamento.



Bom, sempre a questao da convicçao.......sera que elas estao certas de dua escolha? Por que se chatear ao ler mulheres "exaltadas e exageradas" que dizem maravilhas sobre o aleitamento e afirmam ser o melhor pro bebe? Elas nao acreditam que o aleitamento nao tem beneficio algum à mais que uma mamadeira, assim como afirmou o Dr Philippe Grandsenne ? Sera? Sou certa de que nao.......no fundo elas tem noçao sim de que estao deixando de lado algo importante MAS nao entendem a totalidade dessa importancia, nao entendem essa distancia ou o que as levam achar o aleitamento algo tao mistico, complicado e fora de suas realidades!



Falando de evidencias, a composiçao do leite materno ate hoje é superior à qualquer leite de lata, por mais que eles tenham qualidade........indiscutivel, é fato!

A questao da digestao tambem é diferente, o que leva a um comportamento diferenciado do bebe que no fim influi de certa forma na dinamica com a mae......o que nao quer dizer que um bebe criado à mamadeira nao tenha boa dinamica com a mae, cuidado com a leitura seletiva! O Dr Grandsenne disse que a Livre demanda é mito, é atual, ja que em 1800 as mulheres nao tinham relogios pra darem leite de tres em tres horas, que entao elas tambem praticavam mamadeiras em livre demanda e o conceito de tres em tres horas veio depois......bom, como outro convidado afirmou, ate 1800 a maioria dos bebes eram amamentados, dar outro leite indiscriminadamente como fazemos com o materno pode trazer varias consequencias como problemas gastricos, obesidade, so que naquela época dificilmente isso era ligado à pratica se é que era realmente praticada ja que nao seria dificil a mulher aprender a identificar o choro do bebe e dar o leite apenas no caso de fome confirmada, fora que a maneira de viver era outra.......entao nao, nao da pra comparar amamentaçao livre demanda à mamadeiras de tres em tres horas!

Alguns trechos da Scielo falando sobre beneficios, so uma pincelada :

"(1) as mães que amamentam logo

após o parto têm maior chance de serem bem

sucedidas na prática da amamentação; (2) os alimentos

pré-lácteos, comumente oferecidos aos

bebês antes da amamentação, podem ocasionar

lesões no intestino imaturo; (3) o colostro acelera

a maturação do epitélio intestinal e protege

contra agentes patogênicos; (4) o contato pele a

pele previne a ocorrência de hipotermia 12. Alguns

desses aspectos são discutidos a seguir com

maior aprofundamento."



"Na linha dos estudos metodologicamente bem

conduzidos, o de Victora et al. 2 trouxe grande

contribuição ao mostrar que o tipo de leite da

dieta infantil tinha grande influência sobre os

riscos de morte por diarréia e doenças respiratórias.

Crianças amamentadas que não recebiam

outro leite além do materno, ao serem comparadas

com crianças desmamadas, apresentaram

risco 14 vezes menor de morrer por diarréia no

primeiro ano de vida. Ao se estudar apenas as

crianças menores de dois meses de idade, o risco

entre as desmamadas era 23 vezes maior quando

comparadas às amamentadas. Huffman & Combest

28 citam outro estudo realizado no Peru,

em que crianças amamentadas exclusivamente

apresentavam um menor risco de adoecer por

diarréia em comparação a crianças amamentadas

e que tomavam água. Daí os autores recomendarem

que a amamentação exclusiva deveria

ser estendida por pelo menos 4 a 6 meses.

Os efeitos protetores da amamentação contra

infecções do ouvido e pulmão têm-se tornado

mais evidentes nos últimos anos. Nesse particular,

cumpre importante papel a imunoglobulina

A (IgA) secretora, um anticorpo resultante

da resposta da mãe à exposição prévia a agentes

infecciosos. Ela tem como característica sobreviver

nas membranas das mucosas respiratória e

gastrintestinal e ser resistente à digestão proteolítica.

Além de impedir que agentes patogênicos

se fixem nas células da criança amamentada, ela

limita os efeitos danosos do processo inflamatório

29.

A amamentação exclusiva protege as crianças

pequenas de evoluírem para quadros mais

graves de infecção respiratória."



"Foi observada uma associação

entre amamentação exclusiva e redução

da síndrome da morte súbita após controlar para

variáveis de confusão, tais como fumo durante a

gravidez, emprego paterno, posição ao dormir e

idade da criança 37. O papel da amamentação como

mecanismo de proteção contra morte súbita

ainda não foi completamente elucidado. Entre as

possíveis explicações estão a menor incidência

de infecções, as mamadas freqüentes e o contato

mais estreito entre mãe e criança."



"Com relação aos efeitos de longo prazo da

amamentação, uma revisão sistemática com dados

obtidos do MEDLINE (1966 a março de 2006)

e do Scientific Citation Index Databases concluiu

que as evidências disponíveis sugerem que ela

oferece benefícios 39. Os resultados mostraram

que crianças amamentadas apresentaram médias

mais baixas de pressão sanguínea e de colesterol

total, e melhor desempenho em testes de

inteligência. As prevalências de sobrepeso/obesidade

e diabetes tipo 2 também foram menores."

Tudo isso completo aqui http://www.scielo.br/pdf/csp/v24s2/09.pdf com todas as fontes.

Temos inumeras pesquisas tbm associando os beneficios do aleitamento à prevençao da obesidade que é super interessante, ja que o aleitamento poderia reduzir na pre adolescencia a taxa do cortisol,ligado à ansiedade que por sua vez pode interferir na compulsao alimentar. Outra evidencia seria a adiponectina, hormonio que facilita a perda de peso e melhora a sensibilidade à insulina, ele tem incidencia maior em adolescentes que tiveram 6 meses de aleitamento conforme o indicado pela OMS.

Rola tambem a questao dos musculos faciais, qualquer profissional da area sabe que a sucçao no meio facilita o desenvolvimento de varios grupos os quais nao sao estimulados quando alimentados por mamadeiras, pode influir na questao alimentar, fala e etc.

Nao faltam duvidas sobre a superioridade do leite materno e do aleitamento em si, hoje em dia muitas pesquisas tem se concentrado tambem nos beneficios pra mulher, ja que diminuiria a mortalidade pos parto ( o aleitamento ajuda na contraçao uterina devido a produçao de ocitocina), na prevençao do cancer de mama e outros.

Enfim, eu fico estupefada em ver alguem da area de saude negando nao so essas poucas linhas mas anos e anos de estudos cientificos, o Dr se mostrou imaturo na condiçao de homem quando afirmou que o aleitamento atrapalharia o vinculo do pai, ja que ele nao pode aleitar e por essa questao ficaria de fora....ora, maternidade e paternidade nao se resume ao aleitamento, sao inumeras as formas de criar vinculo com o bebe, sobraria ai o banho, o acalento pra dormir, ao apoio à mulher que é fundamental. Infantil e egoista riscar os beneficios do aleitamento em proveito proprio por nao entender a demanda que o momento pede!

Ok, nao deveria culpa-lo tambem, ja que ele é fruto da mesma sociedade sem modelo de aleitamento, da mesma França que figura como o paìs ocidental com menor taxa de aleitamento materno, mas como profissional de saude, a obrigaçao dele é se pautar na ciencia e respeitar ao menos a questao dos beneficios fisicos tirando a questao cultural e psicologica onde envolve outras vertentes!

Continuo a achar engraçadissimo mulheres francesas falando sobre a pressao do aleitamento num pais onde nem 20% dos bebes ultrapassam os seis meses exclusivos, continuo me perguntando onde é que elas veem essa pressao toda..........eu ja virei referencia na escola maternal, parque da cidade pois afirmo que sou a UNICA a amamentar um bebe de quase dois anos! È essa a pressao que muitas reclamam? Uma agulha perdida num imenso palheiro?

Escolhas existem e cada uma delas tem seus pros e contras, quem escolhe pela mamadeira deveria assimilar melhor isso tudo, nao é uma escolha criminosa mas eu diria que é uma escolha a qual a mulher deixa de viver um momento que poderia ser magico em sua vida em detrimento de pre conceitos, negar as necessidades do bebe é que traz a culpa, nao aceitar os contras da propria escolha concientemente!

Por fim, fico chateada em ver que um seculo sera pouco pra mudar essa realidade mas aliviada em saber que meus filhos tem um otimo modelo de aleitamento, que Ciça e Mathieu nao foram beneficiados diretamente, ja que nao foram aleitados, mas que em questao de conceito, que eu acho essencial, eles ja tem a cabeça bem formada, ja sabem que um seio antes de tudo tem funçao de nutrir, ja assimilaram um modelo de maternidade que pode sim trazer prazer, liberdade e bons resultados!



Um site bem legal que mostra inumeras ilustraçoes da historia da mamadeira, pena que em frances, mas nada que o amigo google nao possa traduzir!  http://ludogrid.free.fr/sommairebib0.htm
As ilustraçoes desse post foram retiradas dali!

3 comentários:

Nine disse...

Maravilhoso texto Juliana, obrigada por tanta informação boa!

Infelizmente essa preferência pela mamadeira tem sido uma constante, né? O que me irrita no fato é que as pessoas caem no conto do vigário e deixam de amamentar, mesmo querendo, na primeira dificuldade.

Eu mesma, se não tivesse tido a minha irmã mais nova como exemplo, que bravamente amamentou meu sobrinho por 6 meses consecutivos, quebrando uma tradição de não amamentação na nossa família, teria desistido na primeira semana!

Uma frase que vc escreveu me fez pensar bastante...realmente não trmos tidfo exemplos de amamentação nas famílias, a memória coletiva se apaga e nos deixamos levar por qualquer médico imaturo como este da reportagem.

Beijos,
Nine

Natasha Ulmer disse...

Ola Juliana, descobri seu blog e vi que vc tb posta na Pediatria Radical, estou lendo seus textos e gostando bastante, pois vc vai mostrando o que vou passar daqui a alguns anos (sou mae de primeira viagem de um menino de 14 meses). Morei 4 anos na França e agora estou na Bélgica.
Eu vi esse programa sobre melheres que nao querem amamentar no Les Maternelles, fiquei muito p da vida com as afirmaçoes desse médico, é tao dificil vc conseguir sensibilizar as maes francesas dos beneficios da amamentaçao, e ai chega um médico que fala coisas totalmente sem base num programa bastante assistido por mamaes...
Parabéns pelo seu exemplo de amamentaçao! Eu tb sou a unica entre as minhas conhecidas francesas que amamenta, algumas amamentaram mas so até os 3 meses, e a reaçao dessas maes é de que se eu fosse uma "coitada", "penalizada", "como é que vc consegue", "mas vc nao fica cansada"? Tb ja recebi elogios, mas as criticas e pessoas perplexas sao mais frequentes... Lembro do meu fisioterapeuta me perguntando, na época meu bebê tinha 5 meses "mas vc vai amamentar ele até quando? Ja deu né"?
Nao sei como é aqui na Bélgica, pois me mudei para ca tem pouco tempo e nao conheço ninguém ainda, tomara que a mentalidade seja diferente!
Tomara que as coisas melhorem na França, pelo menos vemos mais consultantes em amamentaçao, sage-femmes especializadas em aleitamento, essa onda bio que tb estimula a amamentar pois é natural...
Vou acompanhar sempre seu blog!
Bj!

Juliana Beaup disse...

Seja bem vinda Natasha, estou atrasadinha mas o que vale é a intençao né! bjocas