sexta-feira, 9 de março de 2012

Te espero la fora!

Ultimamente, temos lido uma enxurrada de materias falando sobre a precocidade das nossas crianças, ai o que fazemos? Barramos o quanto podemos porque inocencia ate certa idade é otimo né, faz parte........é, mas de vez em quando da um trabalho!
Mathieu sempre foi inocente, alias, mais que isso, ele é coraçao aberto......acha que todo mundo é bacana, gosta de agradar ao maximo e perdoa facil, otimo né? ééééééé, na vida ADULTA, onde nos sabemos distinguir quem é merecedor disso tudo, e quem merece uma boa ignorada, talvez depois de um bom coice!
A historia começa com uma linda amizade, durante um ano, so tinha um nome nessa casa, Ceif.
TUDO era "Mas o Ceif...."- eu ja nao aguentava mais! O ano passou, férias, volta às aulas e a amizade persistiu.....Ceif pra la, Ceif pra ca, ate que eu e o pai do menino começamos a conversar na porta da escola, as crianças viviam pedindo pra se verem, tentavamos combinar mas com a correria nao rolava, ate que aproveitei uma quarta feira sem grandes pretensoes e convidei o amiguinho do Mathieu pra vir.
Nao sei se contei como foi o encontro por aqui, acho que nao......bom, conto de novo pq faz tempo que nao escrevo (e nem vou desfiar rosario contando por que!) e o dedo ta tinindo!
Tinha combinado com o pai do menino de traze-lo la pras 14:00 horas e depois busca-lo la pras 18:00, ele concordou, trocamos numeros de celular e no dia seguinte ele veio trazer o menininho.
Eu nao curti o PAI, achei ele entrao e meio que forçando confiança, ao inves de deixar o filho ele se convidou quase que pra FICAR e por pouco perdia a sessao de cinema de proposito, mas eu fiz à la francesa e praticamente pus o cara pra fora com um sorriso no rosto.
Incomodada à mil, deixei pra la, fui fazer cupcakes pra criançada......Ceif foi SUPER educado, brincou direitinho, nao fez absolutamente NADA que me desagradasse, enfim, um verdadeiro anjo!
Eu ja esperava isso dele porque rolou um episodio no ano precedente na escola, onde Mathieu deu um carrinho pra ele e a mae no dia seguinte veio devolver, eu insisti que foi dado mas ela nao aceitou, ainda mais ao ver na cara do Mathieu que ele se arrependeu.....a impressao foi otima, fiquei feliz em ver alguem acompanhando realmente o filho, se interessando, porque né, ela poderia fingir que nao viu e deixar pra la!
Voltando ao encontro, eles brincaram muito, o pai voltou pra busca-lo e me vendo resistente nao alongou muito papo.
Depois disso, estava disposta a combinar mais vezes mas o frio foi intensificando, os alfazeres tbm e com isso fui vendo uma distancia estranha do pai do menino, se antes ele fazia questao de me dar beijinho, agora ja estava me evitando.
Outra coisa que percebi, é que o Ceif estava andando com um grupo de meninos mais velho, do mesmo residencial o qual ele mora, e que como qualquer criança da idade, quando na presença desses meninos, querendo se auto afirmar, fazia Mathieu de bobo ou o ignorava.
Como achei que era coisa boba de criança, nem disse nada, fiquei so na observaçao. Mathieu parou de falar nele o tempo todo, mas de vez em quando deixava clara a vontade de "reconquistar" a amizade do Ceif.
Inicio desse ano, as coisas mudaram, Mathieu vez ou outra começou a voltar pra casa reclamando que o Ceif nao era mais amigo dele, ria da cara dele por bobeiras e que as vezes, em brincadeiras de luta batia nele......o fato revelador foi quando ele disse que nao queria mais brincar com o Ceif porque numa tal brincadeida do tipo "paf paf", no fim ele batia pra valer dando um tapa na cara ao inves de fazer de leve.
Tive que explicar pro Mathieu que isso nao era brincadeira e que era inaceitavel....comecei a ficar mais alerta mas longe de imaginar a real situaçao.
Veio as ferias de inverno, 15 dias em casa, e eis que essa semana, volta às aulas, Mathieu pede pra trazer o Ceif aqui em casa, diz que se deixar ele jogar Mario na Wii, talvez o menino pare de bater nele....bom, eu cortei na hora dizendo que isso nao era amizade, mas Chris ficou furioso, passou horas explicando pro Mathieu o que é amizade ate que cai a bomba, Mathieu em meio a conversa confidencia que de vez em quando, se esconde no banheiro com "medo" de apanhar porque os pontapés do Ceif sao fortes, e que ele é mais agil.......Chris ficou branco!
Lembrando que aqui, a politica nao é bater, nao é devolver, é se defender.....mas é muito complicado explicar pra uma criança de 7 anos a linha tenue que difere defesa de ataque.
Outro ponto, a real, apesar de nao ser o ideal, é que quem rebate e enfrenta sai rapidamente do papel de vitima, eu mesma sou prova disso, quando alguem falava mais alto eu ja estava levantando a mao e no fim, raros eram os que vinham me importunar porque eu nao tinha medo de briga, nao batia em meninas, so ameaçava, mas foram muitas as vezes em que bati em meninos.....nao, nao é bonito, mas ao menos eu nunca tive problemas, nao fui vitima de nada e nao sofri.
Chris na escola foi igual, como era pequeno, geralmente era importundado e aprendeu que se ele fosse o primeiro a bater, as chances de "ganhar" seriam maiores e o resto da escola nao o importunaria mais, e assim foi.
Voltando à Mathieu, eu insisti que ele nao deve ter medo, deveria avisar a prof e deveria se defender segurando o braço do colega, pondo as maos frente ao corpo ou segurando o pé do amigo quando fosse levar um chute.
Quarta feira como sempre, nao tem aula, estou eu jantando com as crianças quando Mathieu diz que iria precisar de sorte e que queria uma roupa bonita, perguntei o porque e ele lembrou que caso Ceif o ameaçasse, ele deveria intimidar o amigo dizendo que ia lhe socar o nariz, ja que Chris disse pro Mathieu que enquanto apanhasse, o nariz era um lugar dolorido e que sangra, o que deixaria o adversario assustado e pararia a briga.
Voltamos à questao da defesa, ele falou do que o pai ensinou, bati na tecla da defesa e por fim, perguntei o que ele queria que eu fizesse......."Nao sei mae, quero ajuda mas nao sei que tipo de ajuda!".
Fiquei com pena,disse pra ele que ele tambem é forte, que nao precisava se esconder no banheiro, mas que enfim, se continuasse, eu iria conversar com a prof!
Ontem, fui busca-lo na escola e ele veio animado me contando a novidade, nao apanhou.......foi perseguido sim, encostado na parede mas disse pro Ceif "Olha, se voce me der um chute, vou quebrar o seu nariz, e meu pai vai falar com a professora....voce nao pode me bater!"___otimo né! Resolveu, ninguem se bateu MAS a inocencia do Mathieu é tao grande, que ele disse que agora que esta tudo resolvido, Ceif bem que poderia vir brincar aqui!
Nao consegui ainda abordar a prof, tentarei hoje porque como busco Ciça antes, quando chego no portao ela ja nao esta mais por la, mas de segunda nao passa.......vou continuar de olho, esperando que Mathieu esqueça o colega por hora e lamentando que um amiguinho tao bacana, tenha se deixado levar por màs companias, talvez o jogo mude de figura, crianças sao assim mesmo, hoje amigos, amanha inimigos e no mes que vem, amigos novamente!
Voce deve estar se perguntando porque nao falei com o pai do menino, né? Pois é, nao falei porque ele agora me evita na cara dura, eu sei que ele sabe (frase estranha!) o que o filho dele tem feito, porque conhecendo Mathieu, ele ja deve ter reclamado com o cara na saida da escola, porque ele vê o filho dele agindo nas entre linhas de vez em quando e porque ele é esperto o bastante pra sacar o comportamento do menino quando entre amigos mais velhos......nao, nao vou falar, ao menos nao por agora, vou recorrer à prof, tentar reverter a situaçao e depois verei, estou ansiosa esperando pra saber se hoje vai rolar coaçao no banheiro ou apenas "trocas de gentilezas".
E tenho dito, enquanto bater no Mathieu, aqui nao brinca!

5 comentários:

Jamileh disse...

Isso acontece mto, ainda mais com meninos, e criança é assim mesmo...blá blá blá...mas o sangue subiu! rs Vou falar c esse zé ruela desse pai! hahahaha Brincadeiras à parte, mto bom vcs terem essa relação, Mat consegue expor os problemas de forma confortável e natural, parabéns Ju e Chris. Mat é um menino de ouro, ouviu os conselhos de vcs e teve coragem de por em prática, tudo vai se resolver ;)

Alaya disse...

ooowwnn deu do dele falando que queria ajuda mas nao sabia como. Coracao bom o seu filho. Eu sofri muito bullying ate os 14 anos prq queria ser "boazinha", perdoar etc as pessoas, e ninguem me respeitava.. tomara que ele ache uma forma de se defender

Mari Petrocchi disse...

Adorei seu blog! Adorei ainda mais seu filho, tão bonzinho, inocente, querendo que o amigo fosse brincar com ele mesmo depois de ser maltratado! Parabéns pela educação que vc dá aos seus filhos, mesmo sem te conhecer tenho certeza que eles têm sorte em ter vcs como pais! Bjos!

Myria Cabanach disse...

Pow Juliana, fazia um tempão que não vinha por aqui, mas agora vim e li tudo o que tinha atrasado...
Decidi comentar nesse post especifico porque fiquei super apreensiva. Eu tenho uma menina pequena, mas já fico imaginando se fosse com ela o que eu faria?!? Um mês atras mais ou menos uma colega de trabalho contou que um menino quebrou o braço da filha dela num jogo de bater meio estranho. Enfim, não sei, não creio ter o "recule" suficiente pra agir como vocês, acho que eu convidaria o menino de novo na minha casa e dava uma ameaçada básica nele. Mas sei lá, isso também não resolveria, talvez até piorasse! Parabéns a vc e seu marido pela educação exemplar. Guardo num canto as idéias que você deixa por aqui, talvez um dia me sejam utéis.
Obrigada e continue escrevendo!

Juliana Beaup disse...

Obrigada meninas!!!

Mirya, nem sempre fui assim nao, a gente aprende com o passar do tempo......quando eu tinha uns 17 anos e meu irmao entrou na escola, ele apanhava sempre, reclamava e como Mathieu, nao conseguia resolver, eu totalmente errada, vendo o outro menino no patio, fui pra perto dele e disse no ouvido que se ele batesse no Lipe de novo, iria se ver comigo.....hoje eu acho um absurdo, era uma criança que arregalou um olhao e deve ter ficado com medo, foi ameaça, foi coaçao e isso é sério!
Eu procuro sempre pensar assim, ainda que meu filho sofra e apanhe, do outro lado tem uma criança tambem, que talvez esteja com problemas ou que esta precisando de uma "luz", e nao seria atraves de ameaças ou revides que conseguiriamos bom resultado, outro ponto é que eu quero que as crianças aprendam a lidar com os contratempos sozinhos, eu apoio sim mas na linha do front, tem que ser com eles.
Hoje é primario, to sempre por ali, nao é "mico" apelar pra professora e apesar de casos graves acontecerem, a maioria sao casos banais de briga entre crianças, mas na pre adolescencia e adolescencia a coisa muda de figura, se a criança nao conseguiu se auto afirmar, ter segurança e acreditar em si, se nao aprendeu a se defender, ja era!
Bjao