quarta-feira, 2 de maio de 2012

Qual é o problema do apego?

Ultimamente nao tenho tido paciencia pra escrever, nao é que falta assunto mas geralmente envolve terceiros e nao quero ninguem lendo e se vendo aqui, vestindo carapuças, entao de duas uma, ou eu escrevo um ano depois, ou largo de mao. Na correria, a segunda opçao tem ganho! O "problema" atual é a questao do apego, é fato que as pessoas nao querem um bebe apegado, por que? Nem elas sabem, alias, outra coisa que tem me cortado a paciencia é ver pessoas falando as coisas sem nem terem noçao do que estao dizendo e se voce "traduz", ainda ficam putas se vendo na arapuca, mas é aquilo po, se informem antes de defenderem alguma coisa, sejam coerentes, defender A porque a maioria dos amigos defendem é complicado né! Alex esta com 2 anos e dez meses, mama (nao vou colocar o "ainda", ele mama e ponto)e pra muita gente ele é apegado demais, obvio que é culpa do aleitamento né, mas se nao amamentasse, seria culpa minha por dar colo demais, dar carinho, atender a qualquer momento e o erro fatal, dormir juntos! Agora sério, ele deveria se apegar à quem? à vizinha? Na nossa realidade atual, adultos os quais ele tem contato permanente somos o pai e eu, de vez em quando os padrinhos dele e so, passamos um bom tempo sem ir na casa dos avos por problemas tecnicos de transporte e logistica, entao a referencia dele é pai e mae, mas o povo acha pouco, ele deveria ser A simpatia em pessoa, ter confiança em qualquer adulto de rua, sorrir, aceitar ficar em lugares estranhos com gente estranha, TUDO o que nos falamos pras crianças nao fazerem por questao de perigo/segurança mas que quando nos arranja, eles deveriam fazer. Ciclana diz pra filha nao falar e nao ir com estranhos, mas no primeiro dia de aula, acha que fulaninha tem que entrar contente e feliz num lugar que nunca viu pra ficar com uma tia que ela nao conhece, cade a coerencia? Ok, meus dois mais velhos por exemplo nao deram trabalho no primeiro dia de aula, mas e dai? Eu acho que Alex sera diferente, acredito na personalidade dele bem mais fechada que os irmaos, mas ja sei que vou ouvir que é o aleitamento ou que ele é apegado demais, agora vir aqui ficar com o muleke pra eu fazer uma compra e ele desapegar, quem quer? (eu tbm nao quero, ok!)Ele nao pode sentir insegurança de estar num lugar estranho com desconhecido, ainda que EU diga que vou voltar pra busca-lo? Mas o que me intriga nisso tudo é que na idade adulta, as pessoas nao sao tao diferentes disso nao, so que o apego delas é justificavel (inventei ou existe?), mulher que diz que NUNCA dormiu sem marido, que nao conseguiria ter um que viaja à trabalho e se vira pra estar sempre juntos, nao sao apegados? E isso é visto com normalidade né? Pessoas que se mudam à 100km da familia e fazem o maior drama, parece que a vida acabou, o mundo explodiu......ai vem depressao, vem mimimi, tudo com muito apoio dos amigos e palavras bonitas, ja um bebe nao tem nada disso, ele TEM que aceitar o que é imposto e pronto. Outra coisa que tem enchido o saco de tal forma é essa mania de por tempo exato pra tudo, é tempo exato pra falar, andar, desfraldar.....a realidade das pessoas e personalidade da criança mal é levada em conta, ok, concordo que tem uma idade referencia pra tudo isso, mas esta ficando insuportavel a rotulagem de crianças que passam fora desses criterios, a preocupaçao exagerada dos pais, a pressao.....Alex mesmo nao esta nem ai pra ser desfraldado, ja passou dos dois anos faz tempo, mas nao esta na hora dele, e ai? E ai, que ja é o bastante pra algumas pessoas e profissionais se preocuparem e quererem achar à todo custo um rotulo, um nome de doença, sindrome, qualquer coisa que explique porque de um menino de dois anos e dez meses nao falar grande coisa e nao querer desfraldar. Apesar de nao ter saco pra aturar reflexao de gente de fora, eu nao fico preocupada e nao acho nada demais, mas é desgastante ter que explicar pras pessoas que ele nao é um ET, pra maes desesperadas que estao na mesma que seus filhos nao tem NADA. Ultimamente tenho ouvido falar bastante no espectro autista, acho OTIMO informaçao à balde e melhor ainda pessoas encontrando diagnostico e ajuda efetiva pros seus filhos, mas em contra partida, acho péssimo essa preocupaçao em massa e essa rotulagem......corre e pula demais? é hiperativo, é bebe demais? autista......saco, um SACO! Parece que atualmente o importante é criança ser desapegada e aprender tudo na velocidade da luz, pra que? So por comodidade, pra dizer que o filho esta na média.....agora beneficios mesmo, pra que? Acho que vale como reflexao o que VOCE espera do seu filho, o que voce quer dele, se é ele encaixado numa maioria ou feliz e saudavel, porque a maneira a qual as pessoas veem a maternidade e desevolvimento infantil hoje em dia, nao é a melhor nem de longe! Antes de querer seu filho como todos os "outros", procure enxergar o que isso trara de bom pra voces, e nao tenha medo dele ficar apegado nao, TODOS somos apegados, ser humano é carente por natureza e bem melhor ter pai e mae como referencia e porto seguro à qualquer um ou nenhum.

Um comentário:

Patrícia Gomes disse...

Gostei tanto do seu texto-desabafo (é um desabafo, neh?). Eu tbm fico pensando nisso às vezes e sempre tenho vontade de peruntar "Vc nunca viu adolescentes? Daqui a pouco teu filho não vai querer muito vc não, dá um tempo" Além do quê criar uma pessoa para o desapego não seria criar um pequeno Kevin? (do filem/livro Precisamos falar sobre o Kevin).
Bjus e parabéns pelo texto