domingo, 11 de novembro de 2012

Dia do armisticio, fim da primeira grande guerra!!!

Hoje é dia de festejar , dia importante pra naçao francesa e pra quem curte  Historia.
Dia do armisticio, fim da primeira grande guerra, da sangria, das trincheiras!


Esse ano o atual presidente, ainda em campanha, tinha prometido a retirada das tropas francesas do Afeganistao ate o fim do ano, caso ganhasse as eleiçoes......promessa feita é divida e ele ja começou a fazer a retirada.
Voce acha que estou misturando as bolas? Afeganistao e primeira grande guerra? Sim, pois de hoje em diante, nao comemoramos apenas o armisticio mas tambem renderemos homenagem à todos os mortos pela naçao francesa.
So esse ano tivemos 13 mortos pela naçao no Afeganistao.

Ha algumas semanas atras, meus olhos cairam sobre um livro que reune cartas e relatos direto das trincheiras, se chama " Paroles de Poilus -lettres et carnets du front 1914-1918 ", scaneei um dos relatos retratando o fim da guerra, mas o livro inteiro é emocionante.
Depoimentos de rapazes muitas das vezes imaturos, que nos piores momentos chamavam por suas maes, de homens que deixaram familia, atividade......da coragem, covardia, organizaçao e desorganizaçao.......de momentos unicos onde rolavam trégua e juntos, alemaos e franceses se uniam pra conversar, comer e logo apos recomeçar!

Depois embaixo coloco uma traduçao, mais ou menos, pq sou péssima nisso mas que de pra entender direitinho!!






A traduçao:
Elise Bidet era filha de uma familia de "vignerons" (possedia vinhas) à Jussy (L'Yonne). Seus dois tios foram mortos no front em outubro e dezembro 1914. Ela escrevia frequentemente à seus pais e à seu irmao, "poilu" (como eram chamados os soldados) Edmond Massé que a guerra conseguiu poupar.

Filho de Edmond, seu sobrinho, o pequeno Jeannot o qual ela fazia alusao, sera morto em seu uniforme frances em 1940.

Quarta feira, 13 de novembro 1918

Meu querido Edmond,

Enfim, acabou. Nao lutamos mais! Nao podemos crer, mas é verdade! È a vitoria como nao esperavamos no ultimo mês de junho, ou no 15 de julho! Quem ousaria esperar uma vitoria completa como essa, e em tao pouco tempo! Nem mesmo quatro meses, é maravilhoso!

Nao sei como voces festejaram o armisticio à Jussy, e o quanto estiveram felizes quando foi anunciada a novidade.

Eu disse à Maurice que foi na feira em Auxerre e que voce estava por la, mas ele ja deveria saber disso. Ele me respondeu : Espero que ele nao tenha festejado demais a vitoria bebendo e que tenha conseguido voltar à Auxerre! Voce vê a opiniao que seu querido tio tem sobre voce, querido Edmond! Mas nao fique nervoso! Normal e perdoavel que um "poilu" tenha se embebedado nesse dia!

Aqui em Paris nos soubemos 11 horas pelos canhoes e sinos; desde entao, todo mundo tirou o dia e as ruas lotaram de gente.

Todas as janelas enfeitadas, nunca vi essa quantidade de bandeiras , nossas e de aliados, a vista era magnifica.

Todo mundo usando "enfeites" tricolores, as mulheres com fitas nos cabelos; em todos os ateliers, homens e mulheres de braços dados, bandeira exposta, percorriam e cantavam pelas ruas e avenidas.

E os americanos, em seus caminhoes, nao paravam de circular pela cidade fazendo subir todos aqueles que desejavam, principalmente mulheres e jovens, e da pra entender!

Quantos aplausos enquanto eles passavam! E os poilus que estavam fora de serviço festejavam tambem! Jamais vi tantas pessoas. Tudo era permitido, nenhum sargento, nenhum policiamento. Toda liberdade foi dada ao povo em delirio. Americanos beijando mulheres nas ruas.

Mas que belo espetaculo na praça da Concordia durante um mês! Ela foi preparada pra circunstancia, tinha canhoes, metralhadoras, tanques e uma montanha de capacetes dos "Boches" (pejorativo o qual os franceses usavam pra denominar alemaos durante a guerra!) que foram apreendidos. Crianças, jovens, meninas, todos subindo nos canhoes, carregados pra todo lado, tinha até Montmartre.

E isso durou segunda à tarde e terça, durante o dia inteiro! Fizemos circular os boches em caminhoes fechados pelas ruas pra que eles vissem a alegria dos parisienses.

Segunda à noite, Maurice quis ir ao cinema para ouvir a Marseillaise. Estivemos no Gaumont, foi impressionante quando um poilu veio la na frente enrolado numa bandeira francesa cantar nosso hino com os assistentes acompanhando.

Tudo isso é lindo e quantos coraçoes cheios de alegria, mas tambem quantos outros choram os seus que nao estao aqui pra ver esse dia. E o sofrimento deles deve ser maior ainda se a morte dos seus nao serviu pra nada!

Ontem nos fomos ver Augustine, pensando que ela poderia vir conosco dar uma volta mas ela e os seus nao tiveram folga, e portanto era dia de festa mas os ricos nao estao preocupados com isso!

Voce e mamae veem, eu tinha razao quando dizia pra esperarmos, voce nao acreditava que sairiamos por cima; quantas vezes brigamos por conta disso, e madame Veyret tambem, quase brigamos de vez por conta disso!

Tristeza ela nao estar mais entre nos pra ver isso! Confesso que eu tbm fiquei muitas vezes desesperada, nos tivemos tantas desilusoes. E ainda assim, quanta honra pro Foch e Clemenceau!!!! Triunfamos sobre eles, eles merecem.

E voce, Jeanne, sua alegria deve ser grande tambem, mas nao sem uma sombra.

Voce deve estar com o coraçao pesado em pensar nos seus irmaos que nao viram a vitoria, mas que contribuiram; quem sabe eles nao veem de onde estao!

Eu entendo o sentimento dos seus pais pensando nos seus irmaos queridos, mortos e mais ainda quando todos voltarao para suas casas.

Nao existe alegria sem dor; diga à eles que eu sofro como se estivesse no lugar deles. Maurice e eu rezamos muito para voces e pra que Edmond voltasse vivo, à salvo. Fomos recompensados, graças à Deus.

Quando ele volta à Lyon? E por quanto tempo? Quando sera liberado? Talvez antes da primavera? Enfim, o principal é que nao lutamos mais. Agradece à mamae pela carta, pensei que ela nao queria mais nos escrever! Tambem recebi as batatas, obrigada!

E como festejaram em Jussy? A gripe acabou?

Jeannot entende, esse pequeno querido, o que estamos passando? Tenho duvidas, e espero que ele nao entende jamais.

Que dia incrivel, nao quero nem ver quando as tropas desfilarem pelo Arco do Triunfo!

Seja feliz, mamae, seu filho esta livre, voce sera recompensada de toda dor.

Beijos felizes de nos dois à voces quatro!



 Hoje de manha assistimos com as crianças a cerimonia pela TV, pela historia e pelo fato de que Chris que foi responsavel pela iluminaçao, eles gostam de "ver" o trabalho do pai!
Enfim, tempos dificeis, sempre bom lembrar do horror que muitos passaram por todos nos, historia é importante pra compreendermos fatos atuais e evitarmos os mesmos erros, as mesmas tragedias!
 


Nenhum comentário: