segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Blogagem coletiva - Campanha contra violencia domestica infantil!

Hoje dia 19 de novembro é dia Mundial pela prevençao da violencia domestica contra crianças e adolescentes, no claro, é dia de protestar contra castigos fisicos, as tais palmadas educativas.

Fiz um video com Mat e Ciça perguntando sobre o que eles pensam.....dado um momento, Mathieu mostra que ele se lembra de que eu ja bati nele dessa forma, no bumbum, ou ainda empurrei de leve pelo tronco/cabeça , ele ingenuo me disse que eu fazia assim pra nao machucar, mas é a mesma bosta e ainda marcou!!

O meu apelo hoje é por uma educaçao sem violencia, sem agressao.

Eu cresci num meio onde esse tipo de conduta era normal, embora nao tenha apanhado e eu preciso lutar quotidianamente contra esse reflexo de querer resolver tudo no tapa, seja com crianças ou adultos.

Nao é facil, nao é simples.......a vontade de empurrar a mao veio e vem muitas vezes, tanto que infelizmente eles ja foram vitimas do meu descontrole, isso so prova o quanto eu absorvi essa cultura, esse problema.

Pessoas criadas longe de gritos, de violencia, apresentam uma facilidade maior, nao precisam lidar com esse monstro interior.....parte nenhuma deles aceita isso com normalidade, nao é resposta do corpo, da cabeça. E é isso que eu quero pros meus filhos.

Ao longo desses anos eu consegui alternativas, pequenos truques que me dao tempo de refletir, de recuperar meu foco.

Alias, foco é super importante, tem que acreditar.....eu nao acredito de forma alguma em educaçao pela violencia, so acredito em descontrole, em dor. Nao é educar, nao precisamos disso, somos inteligentes o bastante pra aprendermos com exemplo!

E ta ai, se exemplo é tudo, como explicar pro seu filho essa conduta recorrente? Como ser justo provocando a dor?

Entao, quando estamos em pane, meu primeiro reflexo é me acalmar, seja me afastando, seja indo socar a parede do banheiro, comer um quadradinho de chocolate......vale tudo!

Conversa olhos nos olhos, sempre frases curtas sem repetiçao cansativa. Se assegure de que esta sendo ouvida. Geralmente eu mando um OIOIOI no meio da zona ou bato palmas uma vez pra que eles parem e preste atençao em mim.

Evitar conflitos tbm é uma otima opçao, nao adianta expor a criança numa situaçao a qual voce sabe que ela nao tera maturidade suficiente pra transpassar sem crises, sem criar problema......é realmente necessario?

As vezes pode bater uma impressao de que eles nao estao aprendendo, mas lembre-se de que o aprendizado é a longo prazo, voce nao vai falar apenas uma vez, como nao iria bater apenas uma vez.....educar é trabalho continuo que pede paciencia, compromisso.

Bater é mais rapido, realmente, voce grita, da um tapa, eles choram, voce manda parar na ameaça de outro e pronto, resolvido. Sera? Reflita, o que voce ensinou realmente com essa conduta? E se voce me diz, que depois disso conversa com eles e ai faz a sua parte.....entao porque nao pular essa agressao e direcionar de uma vez pro que interessa?

Sabe, quando voce bate no seu filho, voce quer dizer duas coisas com essa açao, a primeira, é que voce é incapaz de educar, falha na comunicaçao. A segunda é que seu filho é incapaz, e ainda que ele nao seja, pq alias, nao sao, eles pagam por um erro seu.....essa é a situaçao! VOCE nao consegue educar e quem sao punidos de todas as formas, sao eles!

Sao tantas pesquisas mostrando o quanto isso afeta o sistema neuro das crianças, a dificuldade no aprendizado, nas relaçoes....por que continuar?

Ai voce me diz "Ahh eu apanhei e agradeço meus pais, nao sou revoltado, sou feliz!".....sim, pode ser, mas continua perpetuando violencia, continua preferindo agressao à palavras pra resolver sua relaçao.

Voce nao tem vergonha de dizer que precisou apanhar pra aprender? Era realmente ignorante à esse ponto? Isso, se levassemos em conta a eficacidade das palmadas, o que nao é verdade. Ok, da pra entender que seus pais talvez nao tivessem instruçao e nao conhecessem outros caminhos, mas voce? Por que continuar?

Ultimamente ouço pessoas dizer que o mundo esta como esta por conta disso, da falta de palmadas......bom, ao menos no Brasil, a maioria ainda apanha, tanto que a maioria ainda é infelizmente à favor de castigos fisicos, entao que geraçao sem palmadas é essa? Nao conheço......quantas pessoas em presidios apanharam quando crianças?

Enfim, seja inteligente.....eduque! Acompanhe, persista!

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Atitude é tudo! (adaptaçao do Alex, cont.)

Terça passada tive uma reuniao na escola do Alexandre pra discutirmos sobre a adaptaçao dele.
Estavamos presentes a médica escolar, psicologa escolar, diretor, professora, uma "ERSEH" (L'Enseignant Référent pour la. Scolarisation des Élèves Handicapés ) e eu.
Ha 3anos e meio, tive o mesmo tipo de reuniao pro Mathieu e acho que ja comentei por aqui que foi um fiasco.
Estava gravida do Alex, com Ciça baby, pressao pra ela ir pra creche.......ouvi uma enxurrada de coisas negativas e desagradaveis, sai de la morrendo de raiva e me sentindo injustiçada.
Cereja no bolo foi ouvir algo que sugeria a minha mà vontade em me adaptar ( oi? justo eu!!!) e que uma vez aqui, deveria fazer como franceses (no modo de educar).

Eu ja tinha percebido por exemplo, que da primeira vez que fui internada na clinica pra ter Mathieu e na ultima, quando tive Ciça, tudo mudou........e tambem ja tinha notado que na verdade, EU mudei, fazendo com que tudo ao torno mudasse, mas nao tinha noçao de quanto foi grande essa mudança.
Sempre me senti adaptada, nunca tive dificuldades com nada mas vejo que a minha atitude HOJE é mais segura.

Justo no dia da reuniao acordei com corpo moìdo e garganta ferrada, pronto! Queria ir armada e imponente, vou doente e ferrada.
Primeiro ponto FALHO, defensiva. Gente, nao tem comportamento PIOR.
Acho que ate pra guerrear, o bom é ir de peito aberto e se preferir ate atacar, mas na defensiva NAO! Voce se poe logo na posiçao de "estou errada, sou fraca, estou me defendendo" sem que necessariamente seja preciso! E é assim que fui na época do Mathieu, na defensiva, cansada de ouvir que ele tinha problema, doida pra acabar com aquilo e pra sair vitoriosa daquela sala, deu TUDO errado! Tah, sai do mesmo jeito me achando vitoriosa pq consegui o que queria, mas nao da forma como queria, com empatia dos dois lados e uma compreensao bacana!

Voltando à essa semana, ja fui achando que ia dar tudo errado, que ia mandar todo mundo às favas......foi tudo tao diferente, mas taaaaao diferente, beirou o inacreditavel! As mesmas pessoas, atitudes completamente diferentes!

Ja cheguei sendo super bem acolhida pelo diretor, serviu agua/café/cha.....me instalei, cumprimentei todos na sala e ele começou dizendo o motivo da reuniao.
 Eu nunca fui inibida mas ate adquirir fluencia total na lingua, e ate ja falando fluente, eu tinha sim uma vergonha, nao conseguia falar com desconhecidos dessa forma, era meio bicho do mato, dessa vez me senti bem confortavel desde o inicio.
Fui apresentada à ERSEH, ja que ela era a unica pessoa "de fora", desconhecida.
A prof começou a falar sobre Alexandre, do comportamento dele em sala, da progressao. Ahh, vale dizer que essa semana tivemos volta às aulas, depois de 15 dias de ferias e ele foi super bem, sem chorar em momento algum, participativo!
Em seguida a galera se revesava me fazendo algumas perguntas sobre o dia a dia dele, relacionamento familiar porque estava em jogo a decisao de pedir ou nao uma AVS pra ele, uma auxiliar de vida escolar, alguem que ficasse à disposiçao apenas do Alexandre na sala, e essa decisao é em conjunto mas quem faz o pedido e vê se é viavel, é a ERSEH.

Agora uma diferença enorme, com Mathieu eu fui SUPER julgada na questao da maternagem de apego, eles viam como um perigo à autonomia, achavam que era relaçao fusional esbarrando no doentio e por ai vai, TUDO era sujeito à critica, como dorme, como come.....dessa vez NADA disso foi questionado, e ali apesar de todos saberem que ele ainda é aleitado, ninguem ousou falar sobre o assunto!

Entao em dado momento, quando o sujeito foi a ajuda de uma AVS, médica e psicologa foram totalmente contra, disseram que no caso dele, onde nao tem uma sindrome, doença ou necessidade especial, nao seria uma ferramenta de estimulo mas um muro, que na opiniao delas dificultaria ainda mais a sociabilizaçao dele. Deixaram claro a importancia de respeitar o tempo dele, de focalizar apenas na sociabilizaçao e nao na "produçao", tipo se ele faz atividades como deveria, se desenha na linha certa e por ai vai.

A prof disse que ultimamente a dificuldade dela é no reagrupamento, na ultima meia hora onde ela junta as crianças pra contar historias , cantar......nem sempre ele quer, prefere brincar!
Alias, falou varias coisas sobre ele, que ele canta e fala o tempo todo e as vezes distrai os amigos, que nao vai em direçao aos amiguinhos mas que aceita carinho e conforto, que como ele chorava no inicio e a prof acariciava, os amigos aprenderam e hoje ele é o chouchou, o protegido dos outros.
Ao contrario do que eu pensava, ele nao faz tudo na motricidade, ele ainda tem dificuldades quando tem muita gente no ambiente e tiramos a conclusao de que ele prefere coisas direcionadas à ele, nao ao grupo ou ao menos um ambiente com poucas pessoas.

No fim, o diretor fez copia do resumo da reuniao, todos assinamos e veio o inusitado, uma chuva de cumprimentos e agradecimento pelo meu empenho, por estar sempre disponivel e ABERTA , ser participativa e ajudar no processo, que seria otimo se todos os pais se comportassem dessa forma.

Nesse momento veio o estalo! Acabei "devolvendo a bola", como dizemos por aqui e falando ate com sinceridade, que adoro a equipe do maternal, que ate hoje tive otimas experiencias com as profs, apesar dos desentendimentos na época do Mathieu e que achava importante trabalharmos juntos, pais e equipe escolar, e que no fim, a interessada maior sou eu, ja que é meu Alex em jogo!
A prof ficou emocionada pois choveram elogios da médica e psicologa tbm, e é verdade que ela é otima profissional, aceitou de prontidao ideias novas de como lidar com Alexandre e nao teve problemas em ser sincera e dizer sobre as dificuldades que ela como profissional tinha.
A reuniao foi tao positiva que por mim teria uma a cada tres meses hahahhahahaha.

Como segunda que vem começaremos um acompanhamento no CMP, com um psicologo, ficamos de acordo em esperarmos ate janeiro pra tomarmos novas decisoes, a menos que o quadro mude. Alex tem progredido à seu tempo.
Fiquei aliviada com a decisao de nao termos uma AVS pra ele e feliz em ver que a prof nao foi contra, nao mostrou descontentamento, porque de certa forma pra ela seria bem mais facil ter alguem so pra ele.

Entao a consideraçao final é de que postura/atitude é importantissimo. Se eu nao tivesse mudado, acho que o resultado nao seria tao positivo, nao teriamos enfim um relacionamento mais leve onde rola empatia mutua. 
Eu me achava super adaptada, e tah, sempre fui, mas nao tinha postura aberta, estava fragilizada na época e nao fui na outra reuniao com o peito aberto, entao pra quem esta aqui a pouco tempo ou esta enfrentando problemas com a direçao e equipe escolar, a dica é essa.
Reveja sua postura, reflita se voce esta na defensiva ou se esta agindo em grupo, porque é isso, juntos, pais , professores e o resto da equipe formamos um grupo so!

domingo, 11 de novembro de 2012

Dia do armisticio, fim da primeira grande guerra!!!

Hoje é dia de festejar , dia importante pra naçao francesa e pra quem curte  Historia.
Dia do armisticio, fim da primeira grande guerra, da sangria, das trincheiras!


Esse ano o atual presidente, ainda em campanha, tinha prometido a retirada das tropas francesas do Afeganistao ate o fim do ano, caso ganhasse as eleiçoes......promessa feita é divida e ele ja começou a fazer a retirada.
Voce acha que estou misturando as bolas? Afeganistao e primeira grande guerra? Sim, pois de hoje em diante, nao comemoramos apenas o armisticio mas tambem renderemos homenagem à todos os mortos pela naçao francesa.
So esse ano tivemos 13 mortos pela naçao no Afeganistao.

Ha algumas semanas atras, meus olhos cairam sobre um livro que reune cartas e relatos direto das trincheiras, se chama " Paroles de Poilus -lettres et carnets du front 1914-1918 ", scaneei um dos relatos retratando o fim da guerra, mas o livro inteiro é emocionante.
Depoimentos de rapazes muitas das vezes imaturos, que nos piores momentos chamavam por suas maes, de homens que deixaram familia, atividade......da coragem, covardia, organizaçao e desorganizaçao.......de momentos unicos onde rolavam trégua e juntos, alemaos e franceses se uniam pra conversar, comer e logo apos recomeçar!

Depois embaixo coloco uma traduçao, mais ou menos, pq sou péssima nisso mas que de pra entender direitinho!!






A traduçao:
Elise Bidet era filha de uma familia de "vignerons" (possedia vinhas) à Jussy (L'Yonne). Seus dois tios foram mortos no front em outubro e dezembro 1914. Ela escrevia frequentemente à seus pais e à seu irmao, "poilu" (como eram chamados os soldados) Edmond Massé que a guerra conseguiu poupar.

Filho de Edmond, seu sobrinho, o pequeno Jeannot o qual ela fazia alusao, sera morto em seu uniforme frances em 1940.

Quarta feira, 13 de novembro 1918

Meu querido Edmond,

Enfim, acabou. Nao lutamos mais! Nao podemos crer, mas é verdade! È a vitoria como nao esperavamos no ultimo mês de junho, ou no 15 de julho! Quem ousaria esperar uma vitoria completa como essa, e em tao pouco tempo! Nem mesmo quatro meses, é maravilhoso!

Nao sei como voces festejaram o armisticio à Jussy, e o quanto estiveram felizes quando foi anunciada a novidade.

Eu disse à Maurice que foi na feira em Auxerre e que voce estava por la, mas ele ja deveria saber disso. Ele me respondeu : Espero que ele nao tenha festejado demais a vitoria bebendo e que tenha conseguido voltar à Auxerre! Voce vê a opiniao que seu querido tio tem sobre voce, querido Edmond! Mas nao fique nervoso! Normal e perdoavel que um "poilu" tenha se embebedado nesse dia!

Aqui em Paris nos soubemos 11 horas pelos canhoes e sinos; desde entao, todo mundo tirou o dia e as ruas lotaram de gente.

Todas as janelas enfeitadas, nunca vi essa quantidade de bandeiras , nossas e de aliados, a vista era magnifica.

Todo mundo usando "enfeites" tricolores, as mulheres com fitas nos cabelos; em todos os ateliers, homens e mulheres de braços dados, bandeira exposta, percorriam e cantavam pelas ruas e avenidas.

E os americanos, em seus caminhoes, nao paravam de circular pela cidade fazendo subir todos aqueles que desejavam, principalmente mulheres e jovens, e da pra entender!

Quantos aplausos enquanto eles passavam! E os poilus que estavam fora de serviço festejavam tambem! Jamais vi tantas pessoas. Tudo era permitido, nenhum sargento, nenhum policiamento. Toda liberdade foi dada ao povo em delirio. Americanos beijando mulheres nas ruas.

Mas que belo espetaculo na praça da Concordia durante um mês! Ela foi preparada pra circunstancia, tinha canhoes, metralhadoras, tanques e uma montanha de capacetes dos "Boches" (pejorativo o qual os franceses usavam pra denominar alemaos durante a guerra!) que foram apreendidos. Crianças, jovens, meninas, todos subindo nos canhoes, carregados pra todo lado, tinha até Montmartre.

E isso durou segunda à tarde e terça, durante o dia inteiro! Fizemos circular os boches em caminhoes fechados pelas ruas pra que eles vissem a alegria dos parisienses.

Segunda à noite, Maurice quis ir ao cinema para ouvir a Marseillaise. Estivemos no Gaumont, foi impressionante quando um poilu veio la na frente enrolado numa bandeira francesa cantar nosso hino com os assistentes acompanhando.

Tudo isso é lindo e quantos coraçoes cheios de alegria, mas tambem quantos outros choram os seus que nao estao aqui pra ver esse dia. E o sofrimento deles deve ser maior ainda se a morte dos seus nao serviu pra nada!

Ontem nos fomos ver Augustine, pensando que ela poderia vir conosco dar uma volta mas ela e os seus nao tiveram folga, e portanto era dia de festa mas os ricos nao estao preocupados com isso!

Voce e mamae veem, eu tinha razao quando dizia pra esperarmos, voce nao acreditava que sairiamos por cima; quantas vezes brigamos por conta disso, e madame Veyret tambem, quase brigamos de vez por conta disso!

Tristeza ela nao estar mais entre nos pra ver isso! Confesso que eu tbm fiquei muitas vezes desesperada, nos tivemos tantas desilusoes. E ainda assim, quanta honra pro Foch e Clemenceau!!!! Triunfamos sobre eles, eles merecem.

E voce, Jeanne, sua alegria deve ser grande tambem, mas nao sem uma sombra.

Voce deve estar com o coraçao pesado em pensar nos seus irmaos que nao viram a vitoria, mas que contribuiram; quem sabe eles nao veem de onde estao!

Eu entendo o sentimento dos seus pais pensando nos seus irmaos queridos, mortos e mais ainda quando todos voltarao para suas casas.

Nao existe alegria sem dor; diga à eles que eu sofro como se estivesse no lugar deles. Maurice e eu rezamos muito para voces e pra que Edmond voltasse vivo, à salvo. Fomos recompensados, graças à Deus.

Quando ele volta à Lyon? E por quanto tempo? Quando sera liberado? Talvez antes da primavera? Enfim, o principal é que nao lutamos mais. Agradece à mamae pela carta, pensei que ela nao queria mais nos escrever! Tambem recebi as batatas, obrigada!

E como festejaram em Jussy? A gripe acabou?

Jeannot entende, esse pequeno querido, o que estamos passando? Tenho duvidas, e espero que ele nao entende jamais.

Que dia incrivel, nao quero nem ver quando as tropas desfilarem pelo Arco do Triunfo!

Seja feliz, mamae, seu filho esta livre, voce sera recompensada de toda dor.

Beijos felizes de nos dois à voces quatro!



 Hoje de manha assistimos com as crianças a cerimonia pela TV, pela historia e pelo fato de que Chris que foi responsavel pela iluminaçao, eles gostam de "ver" o trabalho do pai!
Enfim, tempos dificeis, sempre bom lembrar do horror que muitos passaram por todos nos, historia é importante pra compreendermos fatos atuais e evitarmos os mesmos erros, as mesmas tragedias!
 


quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Correndo por ai.....

"Correndo por ai".......resume bem minha fase atual!
Confesso, ta rolando preguicinha tambem pra postar, acho que Facebook acaba me sabotando, as rapidinhas do dia ou acontecimentos acabam sendo discutidas por la mesmo e o espaço aqui fica na carencia.
Tenho que me lembrar que a finalidade aqui era guardar um pouco mais sobre a infancia do trio, ja que fracassei no tal livro do bebe.....entao é isso, de volta pra registrar aqui e nao me arrepender mais tarde!


Onde estamos com Alexandre? Ao lado do furacao.....achei que enfrentariamos Sandy mas esta sendo tudo bem mais ameno, nao sei se por estar calejada ou se é pela situaçao!
Semana passada tivemos RDV com a medica da escola, curti bastante a profissional. Na verdade, esse RDV tinha como objetivo um papo rapido, uma olhada mais rapida ainda no Alex onde ela se certificaria que ele nao tem nada demais ou tem tudo.
Chegamos na hora marcada, Alex morrendo de sono por conta da siesta, ainda bem que Chris estava presente! Ela super tranquila, deixou ele rodar e mexer em tudo, bem coerente nos propositos.
Nao teve conclusao alguma, ela espera nossa passagem na psicologa do CMP porque à primeira vista ela nao identificou absolutamente nada que pudesse indicar a razao da adaptaçao lenta do Alexandre, tirando o AP.......sim, ela e a psicologa da escola foram claras em me dizer que Alex é tao bem cuidado dentro de casa, se sente tao bem, que sente falta desse apego na escola e justamente por isso cola na prof e assistente. Nao é verdadeiramente um problema mas no nosso modelo de sociedade atual, acaba rolando conflito!

Dia 19 temos primeira consulta no CMP e vamos ver como fica! Nao sei ainda se ele realmente tera uma AVS (auxiliar de vida escolar) pra ele na volta às aulas (estamos de férias!), talvez elas tenham desistido da ideia devido ao grande avanço dele nessa ultima semana!
Voltou a entrar sorridente, no fim da manha quando chego pra busca-lo, nao esta mais agarrado à prof mas junto aos amiguinhos ouvindo musica, tambem nao corre mais ao meu encontro mas espera eu entrar na sala e insistir pra irmos embora.
Tambem participou de atividades como todos os outros.

Onde estamos com Mathieu? Esta enorme.....ainda nao me acostumei! Fico lembrando dele bebezao, primeiro filho, ja esta aqui, conversando aos montes, adora ler, desenhar, tem imaginaçao à mil e se deu conta que nao é bom de bola!
So fala no niver dele no fim do mês, esta com uma mania chatissima de pedir TUDO o que vê nas publicidades.

Onde estamos com Ciça? em meio à saias e vestidos.......pois é! Bebela nao quer mais saber de jeans, de calças! So quer saias e ai de mim se de manha aparecer com uma calça, chororo na certa!
Cabelo cresceu, esta super sem corte mas quero deixar alongar, quero tirar a franja entao paciencia, né! Tambem esta doida pra aprender a ler, brinca muito com letras e desenhos.
Super observadora....alias, nos desenhos dela mesmo podermos ver esse senso de observaçao, onde ela se preocupa com detalhes.
Ahh, tambem esta com a mesma mania do Mathieu.....quer TUDO o que aparece na TV!

Enfim, é isso........estamos em ferias, mais uma semana pra distrair a criançada!